sábado, 29 de outubro de 2011

Ás vezes é mesmo duro viver. É duro crecer com os erros, e com as perdas. É duro ter apertos no peito por não termos as pessoas todas que amamos ao nosso lado. Um arduo caminho a percorrer. Mas dificil é ainda mais pensar em tudo, e não conseguir sair desse beco em que ficamos isolados a viver. É dificil estar num estado em que ninguém nos pode mudar, e nos poderem cada vez pior. Cada vez mais em baixo, e ninguém nos conseguir puxar para a realidade, para um sítio onde poderiamos estar bem. É um sentimento estranho, hã? Pois, continua a bater cá dentro, duma maneira manipuladora, e constrangedora. Continua sempre, cá dentro, como uma marca, uma tatuagem que não sai com água. E nós, insistimos. Deixamos a ferida a sangrar, tiramos a casca, e continua a sangrar. Continua sempre assim. Só queremos viver naquele sentimento melancólio, naquele sentimento de perda, e não queremos voltar para o nosso devido lugar. Não sou exemplo, porque infelizmente, agora dói, mas minto-me a mim mesma, sorrio sem vontade, e as vezes, mesmo nao devendo, digo que vivo por viver. Por aquilo que ainda me faz viver. O que quero dizer é... Não deixem de viver, não deixem fugir. Agarrarem-se aos vossos corações que é o que de melhor têm. Agarrem-se á aquilo que ainda vos faz sentir melhor, e felizes.

Um comentário:

SofiaSilva. disse...

Eu sei, talvez muitos até se importem.. Mas há sempre aquelas pessoas em que nós nos 'fixamos', e eram essas que eu mais queria que se importassem, e são as que menos se importam.