sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

O diário da tua ausência


"Ele é diferente, sempre foi, eu acho. Eu duvidava dele, mas no fundo eu sabia que ele era diferente, eu soube disso no instante em que o vi pela primeira vez. Ele não me abandonou quando eu desabei, e mesmo quando eu achei que eu não tinha mais ninguém, ele sussurrou no meu ouvido: "Estou aqui com você" e me abraçou. E acho que foi a primeira vez que eu me senti segura."
- O Amor é confuso.
Honestamente, não é questão de seres diferente. És bastante semelhante. Só dentro da minha cabeça é que fazia sentido a ligação e telepatia intensa e frequente dos nosso cérebros. 

3 comentários:

Bernardo disse...

muito mesmo

Cláudia Ribeiro. disse...

não penso no que podia ser, penso no que foi: um erro.
obrigada :)

Cláudia Ribeiro. disse...

ainda bem ..