domingo, 24 de março de 2013

a chave perdida

As tuas melodias sem nexo, e as tuas manias chatas. A tua canção cansa a minha alma, cansa o meu peito desgastado pela tua euforia outrora na nossa vida conjunta. O filme "da nossa pequenina" casa quando acordavas sem rumo, e roubavas-me um beijo ofegante, colocando as mão entre a minha anca.
Até acho irónico como me encontro destruída mas tranquila, e paciente. Pacífica, seria a palavra perfeita... Como melhor não poderia dizer, não há nada pior do que sentir saudades de uma pessoa que se vê todos os dias. É tão bizarro. É tão egoísta pensar em ti desta maneira. Deveria colocar-te numa espécie de caixa de segredos, e atirar a chave dessa caixa ao mar para não tentar ultrapassar a tentação de ceder ao mole coração. E não ceder, ás memórias e á chave perdida.

5 comentários:

Inês Rodrigues disse...

que lindo :)

Cláudia ♡ disse...

Está tão bonito. Adoro ler-te.

Shin disse...

Por vezes o facto de a pessoa estar ao alcance dos nossos olhos não significa nada, se ela não estiver ao alcance do coração.

Shin disse...

Por vezes isso significa que deixa espaço para alguém ocupar o coração :)

Audrey Deal disse...

Ohh está tão lindo! Força querida!